Uma parceria de força, habilidade e confiança que traz superioridade para as ações das forças de policiamento ostensivo. Assim é a aliança centenária entre policiais militares e cavalos, que cumpre papel fundamental nas atividades de proteção social pela Brigada Militar (BM) e é celebrada nesta segunda-feira (10/5), Dia da Cavalaria, com a conclusão da especialização de 23 soldados formados no final do ano passado. Uma nova turma com 22 futuros cavalarianos inicia a preparação nos próximos dias.

Na última sexta-feira (7/5), eles realizaram a última atividade do curso de cerca de 40 dias, com uma incursão de instrução pelo Morro da Polícia, em Porto Alegre. A partir de agora, estão aptos a se unir ao restante do efetivo montado nas ruas do Estado. Atualmente, a corporação tem 348 cavalos especialmente cuidados e preparados pelo Centro de Estudos, Treinamento, Reprodução Animal e Preservação Ambiental (Cetrapa) da BM, em Itaara, na Região Central.

A data comemorativa faz alusão ao nascimento do marechal Manuel Luís Osório, o Marquês do Herval, em 1808, na Vila de Nossa Senhora da Conceição do Arroio, hoje o município de Tramandaí, que fez história em frentes de batalhas cavalarianas no século 19. Na BM, a incorporação de cavalos para auxiliar no policiamento ostensivo remonta a 1913.

Ao longo dos anos, o trabalho com equinos foi se fortalecendo e adquirindo papel cada vez mais relevante nas atividades da corporação, mas até 1989 a incorporação dos animais se dava de forma descentralizada. Naquele ano, a BM começou a formação de uma estrutura para a criação de equinos, com a construção de cocheiras para garanhões, baias para maternidade, laboratório para reprodução e piquetes para manuseio dos animais.

Em 2002, foi estruturado o criatório de equinos do 1º Regimento de Polícia Montada, em Santa Maria, visando à reprodução gradual e sistemática do plantel equino. Cinco anos mais tarde, o criatório deu origem ao Cetrapa, que tem como responsabilidade a criação, distribuição, reposição e substituição dos equinos que serão destinados para outras unidades da BM.

O centro tornou-se um haras de referência na linhagem do cavalo da raça Brasileiro de Hipismo, ideal para o emprego no policiamento montado em razão de suas características, como porte, estatura, docilidade, lealdade, franqueza, rusticidade e coragem, entre outras.

De acordo com a médica veterinária do Cetrapa, capitã Paula Cardoso, o treinamento dos animais inicia-se logo depois do parto das crias. “Após anos de observação, identificamos que é de extrema importância que, desde o nascimento dos equinos, crie-se um vínculo entre o homem e o animal. Este tipo de treinamento é conhecido como imprinting. O animal é acariciado, erguem-se os membros, administra-se vitaminas orais. Logo começa o ensinamento de subida e descida de caminhões. Posteriormente, quando o animal atinge os três anos, inicia-se a doma”, detalha a capitã.

Depois de domados, os cavalos e éguas estão prontos para começar um cuidadoso treinamento específico para o policiamento montado, no qual os animais irão se acostumar com as movimentações em áreas urbanas e de grande público, superação de obstáculos, estampidos de tiros, fogo e as mais diversas situações enfrentadas na rotina de ação da cavalaria.

A BM mantém hoje quatro Regimentos de Polícia Montada: Santa Maria (1º RPMon), Santana do Livramento (2º RPMon), Passo Fundo (3º RPMon) e Porto Alegre (4º RPMon), que tem vinculação técnica com o pelotão de polícia montada do 12º Batalhão de Polícia Militar, em Caxias do Sul.

Todo o efetivo de cavalarianos realiza, além do curso básico de policial militar, a capacitação específica para a atividade montada. Ao longo da especialização, os soldados – muitos deles antes nunca tiveram contato com um cavalo – aprendem todas as técnicas de trato e cuidado com o animal, montaria e manobras nas diversas atividades em que a cavalaria é chamada a atuar.

Segundo o comandante do 4º RPMon, tenente-coronel Cláudio de Azevedo Goggia, o emprego de uma tropa montada tem inúmeras vantagens. “Não existe um processo de policiamento com mais ostensividade do que o policial montado, pois, devido à sua projeção mais elevada, ele se torna visível para a população, multiplicando a sensação de segurança pela presença policial e servindo como inibidor de conduta ou ação criminosa. Da mesma forma, o cavalo permite ao policial um campo de visão ampliado por encontrar-se em posição superior à das demais pessoas, e isso possibilita ver e ser visto mesmo em distâncias maiores”, explica Goggia.

Após aposentados, os animais podem ser doados. A prioridade é que o donatário seja o policial que por tantos anos fez dupla com o animal. Caso não haja condições ou interesse, o cavalo pode ser doado para um civil ou uma organização sem fins lucrativos. Entre as condições obrigatórias para a doação, consta que o animal deve permanecer o resto da vida sob cuidados do tutor – não pode ser vendido, doado para outra pessoa ou utilizado para trabalhos ou atividades que visem lucro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui