Ao longo de seis décadas, o curso foi responsável pela formação de cerca de três mil agrônomos.

O curso de Agronomia da Universidade de Passo Fundo (UPF) completa 60 anos em 2021. Uma trajetória de trabalho que se destaca pela excelência no ensino e infraestrutura de ponta oferecida aos acadêmicos. Desde a concepção do curso, cerca de três mil profissionais já foram formados pela Instituição.

A história do curso iniciou no dia 19 de setembro de 1960, na Sala da Congregação da Faculdade de Direito, em ata nº 1 “Ata de Fundação da Escola de Agronomia de Passo Fundo”, ocasião em que se decidiu por unanimidade que se enviasse mensagem ao governador Leonel Brizola, descrito como o “patrono da escola”, falando a respeito da necessidade do curso.

Em 3 de maio de 1961 foi apresentada a denominação “Faculdade de Agronomia”, que é mantida pela Sociedade Pró-Universidade de Passo Fundo, onde foi oficiado da “notícia da autorização” para funcionamento da Faculdade de Agronomia e lido o edital de abertura das inscrições. Dessa forma, a autorização de funcionamento ocorreu pelo decreto federal nº 50.665, em 24 de maio 1961. “Na sessão esteve presente o presidente da Sociedade Pró-Universidade (SPU) de Passo Fundo, o Dr. Cesar Santos. Ficou deliberado que o Dr. Reissoly José dos Santos iria a Porto Alegre, a fim de, em nome do corpo docente da Faculdade, convidar o governador para proferir a aula inaugural. Ficou resolvido também que seria dado ao engenheiro Leonel de Moura Brizola, o diploma de “Honoris Causa” pelos relevantes serviços que prestou à criação da Faculdade de Agronomia”, relata o coordenador do curso de Agronomia, professor Dr. Vilson Antonio Klein.

No dia 26 de maio 1961 ocorreu de forma oficial as atividades da Faculdade de Agronomia, com a aula magna inaugural proferida pelo então governador, Leonel Brizola. “ Tudo começou em 1961. Após o vestibular e completadas as 20 vagas oferecidas pela Faculdade de Agronomia, as aulas iniciaram em abril nas dependências das faculdades de Direito e de Economia. Entrávamos, através de ampla escadaria pela Avenida Brasil, ladeada pelo Instituto de Belas Artes (à direita) e a escada alta (à esquerda). Nosso diretor foi o professor Flávio Coutinho Annes e o reitor o coordenador da Fundação Pró-Universidade, o Dr. Cézar Santos. Alguns que foram nossos mestres e que hoje me vem a memória são Eurico Spalding, José Finkelstein, Dirceu V. Torres, Augusto Paiva Neto, Rui Schardong, Jesuíno Dávila, Paulo Hélio Meyrer”, relata o estudante da primeira turma, o engenheiro agrônomo, Eduardo Loureiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui