Close

Sign In

Close

Musculação na adolescência – Edição de Dezembro de 2017

Segundo a Organização Mundial de Saúde, consideram-se adolescentes indivíduos com idade entre 10 e 19 anos. A prática de exercícios físicos nessa faixa etária é de extrema importância para sua saúde, socialização, prevenção a dependência por vícios como fumo, álcool e drogas ilícitas, proporciona maior empenho na busca de objetivos, melhora sua autoestima, além dos benefícios na sua rotina diária como disposição para as tarefas escolares, concentração, responsabilidade com hábitos saudáveis e alimentação.
A adolescência é um período cheio de transformações físicas e psicológicas (alterações de humor, comportamentais, descobertas do corpo, interesse sexual…), as influencias sociais permeiam os anseios desse período. Nessa fase uma característica comum é a necessidade de participar de um grupo social. Os amigos e o meio em que vivem contribuem na definição da personalidade, alguns aspectos mudam como a linguagem, os gestos e o modo de vestir, esses fatores podem influenciar na aquisição de um corpo pré-estabelecido. A mídia, ao divulgar os ideais de beleza, desperta no ser humano a idealização de um corpo perfeito; como meio de valorização, enaltece que a felicidade está ligada ao ser bonito. Contudo, alguns indivíduos sentem a necessidade de frequentar a academia para à construção de uma identidade pessoal que atenda a tais padrões. Por isso a necessidade de se estar atento a academia que os seus filhos, irmãos e familiares estão frequentando, pois nessa fase o profissional responsável pelo treino deve orientar o exercício de uma forma saudável, preservando a saúde e não apenas focando na estética.

Adolescência X Musculação
Muitas pessoas se perguntam se o adolescente em fase de crescimento deve ou não fazer musculação. A principal dúvida é se a musculação atrapalha o desenvolvimento e o crescimento do jovem. Não se tem conhecimento de nenhum estudo que comprove que a musculação atrapalha no crescimento. Muito pelo contrário, há alguns estudos, pesquisas e testes, como o de um professor de Educação Física da Universidade de Taubaté – UNITAU que, além da parte teórica de pesquisas, testou dois grupos de jovens de 13 e 14 anos, onde um dos grupos fez somente as aulas de Educação Física escolar e o outro grupo, além das aulas de Educação Física, fez também três aulas semanais de musculação.
Os dois grupos de 15 adolescentes foram examinados por um médico e avaliados por um professor no início e após 3 meses de testes. Durante este período, os adolescentes realizaram 3 aulas semanais de Educação Física no ginásio de esportes do colégio, sem pesos. Um dos grupos, além destas aulas, realizou 3 treinamentos por semana de musculação, com duração de 30 minutos, usando cargas pequenas.

Resultados
O grupo que só fez aulas no colégio, após 3 meses tinha crescido em média 1,50 cm. O grupo que praticou musculação, além das aulas do colégio, cresceu em média 2,83 cm.
Assim, comparando os valores obtidos, vemos que a musculação não mostrou desvantagens no crescimento da estatura, muito pelo contrário. Diversos autores já estudaram esta questão, como Dvorkin (1982), citado por Hegedus e Almeida (1986), que recomenda que o início (entre 11 e 13 anos) seja cuidadoso e orientado quanto ao levantamento de peso e trabalho resistido. Ele afirma que é um mito que os ossos se detenham em seu crescimento em conseqüência do treinamento com cargas.
Recentemente foi lançada no Brasil, uma excelente obra sobre o tema: “Treinamento de força para jovens atletas”. De qualquer forma, é essencial que o adolescente faça uma avaliação física antes de iniciar um treinamento com pesos e fazê-lo somente com acompanhamento de um bom profissional. O jovem, por ser muito ativo, costuma gostar muito de aulas dinâmicas, como os circuitos, onde são intercalados exercícios aeróbios (caminhada, corrida, bicicleta, step etc) com exercícios localizados (com pesos). Este é um bom começo. (Fonte: Jornal da Musculação – N°41.)


Comentários + Novo Comentário

Deixe um comentário

* Campos Obrigatórios